Capa / Artigos / Artigo
 
 
Tamanho
   

A juventude brasileira e as políticas públicas de Saúde

Divulgação     
02/03/2013

A juventude é uma fase propícia para se construir identidades e de definições de projetos para o futuro. Onde o jovem, convive com um conflito entre a dependência familiar, a sociedade e a emancipação da sua autonomia.

A juventude no Brasil era considerada apenas uma transição entre a fase da adolescência e a fase adulta. A falta de implementação e valorização de políticas públicas para juventude, refletiu em aumento da situação de risco e vulnerabilidade social para esta população, por isso se torna imprescindível construir espaços de empoderamento juvenil, desenvolvendo ações de enfrentamento a violência. É necessário analisar e compreender que os jovens são protagonistas para formulação e implementação de propostas políticas pedagógicas, melhorando assim o acesso a equipamentos e serviços.

A alta vulnerabilidade e a escassez de políticas, explicam o aumento dos agravos em saúde de jovens e adolescentes. Investir em ações, projetos e programas de saúde para juventude, são investimentos que auxiliam no desenvolvimento da sociedade.

Se faz necessário compreender e respeitar as particularidades dessa população, promovendo ações intersetoriais com atenção integral.

Esta política deve envolver o ambiente físico e social, intensificando em ações preventivas, promovendo uma qualidade de vida.

Gravidez precoce, HIV, desnutrição, saúde mental, fumo, álcool, violência e traumatismos. Esses são alguns dos principais problemas de saúde que afetam a juventude. De acordo com a ONU, dois terços das mortes prematuras e um terço do total de mortalidade em adultos estão associados a doenças e ou estilos de vida que iniciaram na juventude, entre elas consumo de álcool, falta de atividade física, relações sexuais sem utilização de métodos preventivos, vulnerabilidade social e exposição à violência.

Apesar do avanço nas políticas de saúde no Brasil, encontra-se ainda uma escassez, quando o eixo é a juventude. Portanto, é necessário desenvolver uma política de saúde para juventude integral e intersetorial, com o envolvimento de vários atores, visando o desenvolvimento do ser jovem, com investimentos na política de saúde mental, de prevenção de doenças crônicas, prevenção de acidentes automobilísticos e dst’s, dentre outros e por meio de construção de espaços de saúde exclusivos para atender a demanda de usuários de drogas e investimentos na educação em saúde na escola, fomentando a participação e o protagonismo de jovens na prevenção de doenças e agravos.   

 

Autor: Núcleo de Saúde Jamil Haddad
 
 
 
 
 
   
Copyright © 2011 Partido Socialista Brasileiro - PSB
SCLN 304, Bloco A, Sobreloja 01, Entrada 63